Menu
Angola: FMI projecta inflação de cerca de 14% até final de 2015

Angola: FMI projecta inflação de ce…

O mais recente relatório ...

Fitch baixa nota financeira de Angola para ‘B+‘

Fitch baixa nota financeira de Ango…

A Fitch - agência de nota...

Angola: Derrame de petróleo afecta meio ambiente e praias de Cabinda

Angola: Derrame de petróleo afecta …

A multinacional Chevron -...

Em Luanda vivem 122 milionários angolanos - diz estudo

Em Luanda vivem 122 milionários ang…

Em Luanda, a capital de A...

Aaron Hernandez condenado a prisão perpétua

Aaron Hernandez condenado a prisão …

O ex-jogador da equipa de...

Arranca julgamento de Aaron Hernández suspeito de matar dois cabo-verdianos

Arranca julgamento de Aaron Hernánd…

Teve início nesta quinta-...

Two Cape Verdeans Flying the Skies of America

Two Cape Verdeans Flying the Skies …

The Capeverdeans Mauricio...

Dois Cabo-verdianos pilotos da JetBlue

Dois Cabo-verdianos pilotos da JetB…

Os cabo-verdianos Mauríci...

Cabo Verde se absteve na votação para admissão da Palestina na Unesco

Cabo Verde se absteve na votação pa…

Dos membros da comunidade...

Barney Frank: Um grande defensor de Cabo Verde no Congresso americano anuncia retirada

Barney Frank: Um grande defensor de…

Com a decisão do represen...

Prev Next

Angola Vende Empresa Pública De Café Ao Grupo Nabeiro

Angola Vende Empresa Pública De Café Ao Grupo Nabeiro

O Governo angolano aprovou a privatização e venda de 100 por cento do capital da empresa pública de produção de café Liangol à Angonabeiro, unidade do grupo português Nabeiro que actua em Angola há 14 anos.

A decisão consta de um decreto executivo conjunto dos ministros da Economia, Abrahão Gourgel, e da Indústria, Bernarda da Silva, de 13 de Novembro.
Aquele grupo português já tinha sido convidado pelo Executivo angolano a colaborar na reactivação da antiga fábrica de café Liangol, em Luanda, uma unidade produtiva agora com a marca Ginga. Esta será retirada à estatal Empresa de Liofilização e Moagem de Café (Limoca), conforme estabelece o mesmo decreto, e vendida à Angonabeiro.
Angola já foi o quarto maior produtor mundial de café, com 200 mil toneladas anuais, antes de 1975. Essa produção está hoje reduzida a menos de 10%, fruto do abandono do cultivo durante a guerra civil angolana.
O Executivo angolano justifica a privatização desta fábrica com um programa económico nacional para “valorizar as unidades industriais com elevado potencial de crescimento e geradoras de divisas”.
A actual fábrica Liangol foi inaugurada a 25 de Maio de 2001 e assegura a torrefacção de café, com a recuperação da marca angolana Ginga.
O mesmo decreto executivo recorda que a Angonabeiro “pretende expandir a produção e comercialização, no mercado nacional e internacional, do café de marca Ginga, com a injecção de capitais adicionais, tecnologia e ‘know-how’ na cadeia produtiva e nos canais de distribuição”. Reconhece ainda o “impacto” que o processo de privatização da Liangol terá na economia nacional, “particularmente ao nível das contas nacionais e sobre o mercado de trabalho do país”.
O Executivo angolano aprova desta forma a privatização daquela fábrica, a 100%, “por ajuste directo a favor da Angonabeiro – Comércio e Indústria de Café”, refere o decreto executivo.
O preço da venda, adianta, será determinado com base numa avaliação patrimonial actualizada, a realizar.
A Angonabeiro é uma empresa do grupo Nabeiro, fundado em 1961 pelo comendador Rui Nabeiro, com sede em Campo Maior. Desde 2000 que a Angonabeiro actua no mercado angolano, na área do comércio e da indústria, através das marcas de café Ginga e Delta, entre outros produtos.
Fonte: OJE/Lusa

back to top