Menu
Angola: FMI projecta inflação de cerca de 14% até final de 2015

Angola: FMI projecta inflação de ce…

O mais recente relatório ...

Fitch baixa nota financeira de Angola para ‘B+‘

Fitch baixa nota financeira de Ango…

A Fitch - agência de nota...

Angola: Derrame de petróleo afecta meio ambiente e praias de Cabinda

Angola: Derrame de petróleo afecta …

A multinacional Chevron -...

Em Luanda vivem 122 milionários angolanos - diz estudo

Em Luanda vivem 122 milionários ang…

Em Luanda, a capital de A...

Aaron Hernandez condenado a prisão perpétua

Aaron Hernandez condenado a prisão …

O ex-jogador da equipa de...

Arranca julgamento de Aaron Hernández suspeito de matar dois cabo-verdianos

Arranca julgamento de Aaron Hernánd…

Teve início nesta quinta-...

Two Cape Verdeans Flying the Skies of America

Two Cape Verdeans Flying the Skies …

The Capeverdeans Mauricio...

Dois Cabo-verdianos pilotos da JetBlue

Dois Cabo-verdianos pilotos da JetB…

Os cabo-verdianos Mauríci...

Cabo Verde se absteve na votação para admissão da Palestina na Unesco

Cabo Verde se absteve na votação pa…

Dos membros da comunidade...

Barney Frank: Um grande defensor de Cabo Verde no Congresso americano anuncia retirada

Barney Frank: Um grande defensor de…

Com a decisão do represen...

Prev Next

Angola Entra no Mercado Internacional de Capitais

Angola Entra no Mercado Internacional de Capitais

O governo de Angola anunciou, nesta segunda-feira, 26 de Outubro, o lançamento de títulos de dívida soberana no mercado internacional, sob forma de Eurobonds, no montante global de USD$ 1.5 mil milhões.

Com esta medida, a administração angolana pretende diversificar as fontes de financiamento externo e o estabelecimento de fontes de financiamento de longo prazo.
As autoridades de Luanda acreditam que a iniciativa vai ter um impacto positivo em termos de avaliação das Agências de Notação de Risco.
“A emissão soberana que tem lugar na Bolsa de Londres na sequência dos esforços iniciados em 2011, quando atendendo ao facto de que o recurso as fontes de financiamento tradicionais (bilateral, comercial e linhas de crédito) mostrava já alguma concentração, que do ponto de vista da gestão dos riscos e dos custos associados não é recomendável, pois aumenta a exposição do País à um determinado financiador, o Executivo considerou a necessidade de buscarem-se fontes de financiamento alternativas”, diz uma nota do Ministério das Finanças de Angola.
A mesma fonte lembra que foi assim que começaram a ser dados os primeiros passos na elaboração dos estudos que pudessem vir a sustentar uma primeira emissão soberana de Angola nos mercados de capitais internacionais. Com este desiderato, o Executivo Angolano, para além de buscar aconselhamento técnico e jurídico com instituições financeiras de renome internacional, tal como Goldman Sachs, J.P. Morgan, Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional, passou a submeter-se a avaliações periódicas por parte das principais agências de notação de risco internacionais.
Fonte: APO

back to top