Guiné-Bissau nega ter proposto São Tomé para presidência da CPLP

Guiné-Bissau nega ter proposto São Tomé para presidência da CPLP

O presidente guineense, Umaro Sissoco Embalo, negou que o seu país tenha proposto que São Tomé e Príncipe assumisse a presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), afirmando que ainda tem reservas quanto a este tema.

"Eu vi declarações veiculadas que não correspondem à verdade", afirmou neste 2 de Outubro, o Presidente da Guiné Bissau, Umaro Sissoco Embaló, no aeroporto de São Tomé, antes de partir para a Guiné-Bissau, depois de assistir à posse do novo chefe de Estado de São Tomé e Príncipe, Carlos Vila Nova.
"[A] posição da Guiné-Bissau é dizer que é o povo são-tomense que tem que decidir se quer ou não [assumir a presidência da CPLP]. Não é a imposição de um outro país", disse o chefe de Estado guineense.
O presidente da Guiné Bissau acrescentou que falou na sexta-feira com um representante do Brasil e que "a posição deles também é de reserva" em relação à decisão se "São Tomé deve ou não assumir [a Presidência da CPLP] porque há regras, há problemas das quotas e outros".
Contudo, Sissoco Embalo não indicou o interlocutor do Brasil com quem conversou.
"De qualquer das formas, eu sou amigo do povo são-tomense e eu não estarei para impor", disse Sissoco Embalo, assegurando que não vai permitir "impor a São Tomé e Príncipe o que ele não quer, porque São Tomé é um povo irmão, um povo amigo".
"Agora, se há países que pensam que por trás de São Tomé podem atingir os outros países, não. Isso não se vai passar na CPLP", declarou o Presidente guineense.
Questionado pela imprensa sobre se deveria ser a Guiné-Bissau a assumir a presidência rotativa da CPLP em 2023, Sisso Embaló disse que a "Guiné-Bissau já organizou e tem condições para organizar" outra presidência, acrescentando que o país "pagou as quotas e tem tudo em dia".
Sissoco Embaló destacou que para "essa questão de presidência é [preciso] consenso".
"Ser presidente em exercício da CPLP não implica impor os outros países, não. E, sobretudo, a Guiné-Bissau de hoje não é a Guiné Bissau de ontem. Nós não aceitamos a imposição. Tem que ser consenso de base e respeito mútuo", afirmou o Presidente guineense.
"Temos o mesmo direito como Portugal, Brasil, São Tomé, Cabo Verde e todos os outros países membros da CPLP", disse.
O chefe de Estado da Guiné-Bissau frisou ainda que "não corresponde à verdade a informação que foi veiculada de que a ministra de Estado e dos Negócios Estrangeiros [Suzi Barbosa] disse que a Guiné-Bissau ia (...) não, não, não, isso não corresponde à verdade".
O Presidente guineense disse que deu "orientação à ministra para dizer que a Guiné-Bissau não podia, de maneira nenhuma, criar mal-estar no seio da CPLP, mas também não admitiria que alguém pensa que é mais importante ou tem mais peso na CPLP".
"Não há Estados pequenos" na CPLP, precisou, acrescentando que o "Brasil também acompanhou esta estratégia".
Em 24 de setembro, o ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE) de Portugal, Augusto Santos Silva, declarou como uma "boa notícia" o "acordo" que se obteve durante uma reunião informal de ministros da CPLP, em Nova Iorque, de que a presidência da organização lusófona ficará a cargo de São Tomé e Príncipe, após o mandato atual de Angola.
De acordo com Santos Silva, a proposta partiu da Guiné-Bissau, que também se tinha mostrado interessada em assumir a presidência.
"Não só não houve nenhuma disputa, como houve este gesto de enorme significado que foi ser a Guiné-Bissau a propor a solução que validámos", sublinhou o ministro português, em entrevista telefónica à Lusa.
No mesmo dia, também o secretário executivo da organização, Zacarias da Costa, declarou à Lusa, por telefone, que o Presidente guineense, Sissoco Embaló, "deixou uma mensagem clara, através da ministra dos Negócios Estrangeiros, Suzi Barbosa, de que veriam com bons olhos que São Tomé assumisse a presidência e depois, então, seria Guiné-Bissau".
Na conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP, realizada em julho em Luanda, a decisão sobre a próxima presidência da CPLP foi adiada, com o argumento de que estavam em curso eleições presidenciais em São Tomé e Príncipe.
Após o ato eleitoral, disse Zacarias da Costa, o próprio Presidente de São Tomé e Príncipe, Carlos Vila Nova, manifestou "vontade de São Tomé poder assumir a presidência rotativa da CPLP em 2023 -- 2025".
Fonte: Lusa

Últimas Notícias

More Articles
Mind-Blowing Holiday Travel Sale. Book now and get up to  off* with coupon code: SFHOL15
Fare Buzz
SmartFares' Exclusive Cheap Flight Sale